Editorial: Um cheiro de normalidade graças aos nossos emigrantes

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • Editorial: Um cheiro de normalidade graças aos nossos emigrantes

1. Agosto significa férias e calor, festas e romarias e significa também emigrantes. Este é o mês em que as nossas aldeias, vilas e cidades se enchem com aqueles que vivem e trabalham na diáspora, longe da família, dos amigos da “terra”. Agosto é o mês de matar saudades, de voltar às origens, de dar largas a todas as excentricidades oprimidas durantes os outros 11 meses, de sentir a luz única deste “jardim à beira-mar plantado”, de respirar o ar e sentir o cheiro da terra onde nasceram. Agosto é tudo isto e muito mais. Porque os emigrantes guardam os afetos e as memórias, como se tudo continuasse igual, como se o mundo, o seu mundo, tivesse sido encerrado numa lata de conservas, e nada mudasse – porque a saudade exige que tudo continue igual…
Mas em 2020, por culpa de uma pandemia funesta e perigosa, que deixou o mundo em suspenso, confinados entre casa e a vontade de regressar ao normal, de férias adiadas e coração despedaçado, os emigrantes não puderam peregrinar às suas terras, ver os seus lugares e gentes, matar saudades… Dois anos depois regressaram como nunca! Ou como sempre, porque os emigrantes portugueses, espalhados pelo mundo, regressam sempre, porque Portugal está sempre no seu coração – nem sempre bem entendidos, por vezes mal recebidos e quase nunca devidamente compreendidos (porque só quem já viveu no estrangeiro, «longe da pátria», pode sentir e compreender a dimensão da saudade e essa reserva de afeto e amor à terra).
Este agosto voltou a ser de normalidade, mesmo de máscaras e desconfiança Covid, os emigrantes voltaram a encher as aldeias e vilas da região como há muitos anos não acontecia. Este verão volta a ser como antigamente, mesmo com restrições e sem festas ou romarias, sem feiras e casamentos multitudinários, mas com a alegria de sempre. Este agosto já se sente uma certa normalidade e vida nas nossas terras depois de ano e meio de sofrimento e dúvidas. Obrigado aos nossos emigrantes. Sejam bem-vindos. Voltem sempre. Esta é a Vossa terra. A Nossa terra!


2. No contexto da minha nomeação para Diretor da Rádio Altitude escrevi aqui (https://ointerior.pt/opiniao/recuperar-a-radio-altitude/) que a mais antiga rádio local portuguesa, que entretanto, a 29 de julho, completou 73 anos – https://fb.watch/7i1EOl77J0/ – vivia arduidades inexcedíveis, até porque «as imensas dificuldades de contexto e as consequências de meses de pandemia promoveram mais pressão e dificuldades acrescidas sobre todos». Recebi então «uma empresa sem meios financeiros, uma emissora sem recursos humanos, uma rádio sem programas» que urge recuperar. E, como comentei, precisávamos, e precisamos, da ajuda de todos para recuperar a Rádio Altitude. «Estas palavras podem ser percebidas como um pathos aristotélico ao âmago da população, mas esta é a realidade, uma realidade que precisa da colaboração de todos».
Este apelo foi ouvido por muitos, que rapidamente perceberam que «entre todos vamos reconstruir a voz da cidade e da região». E esse apelo foi percebido particularmente por Manuel Rui Azinhais Nabeiro. O empresário, líder do grupo Delta, homem do interior, filantropo e altruísta como poucos, que há mais de 50 anos também ouvia o Altitude quando atravessava a raia, nesses tempos difíceis da ditadura em que o contrabando era uma das poucas opções, mecenas de tantas causas, fez um donativo de mil euros (à Rádio Altitude). Surpreendidos e agradecidos, o nosso enorme bem-haja ao Comendador Manuel Rui Azinhais Nabeiro.


Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.