loader

Política à portuguesa

Novembro 5, 2021

Política à portuguesa

Os partidos da esquerda portuguesa, juntos, detinham a maior maioria de sempre na Assembleia da República. De forma irresponsável decidiram “zangar-se” com António Costa e não aprovar o Orçamento de Estado (OE) «mais à esquerda» que lhes foi proposto – sobre o conteúdo ser mais ou menos à esquerda que os anteriores já todos ouvimos as explicações dos especialistas, agora, o que nos resta, é ir a eleições. Desde 2015, Bloco e PCP aprovaram orçamentos restritivos e condicionados pelas regras da Troika, do Tratado Orçamental e dos condicionalismos das circunstâncias da crise financeira. Para o OE de 2022, menos restritivo e muito mais social e “amigo” dos que mais precisam, Bloco e PCP não só não aprovam, como decidiram votar contra. E passar a culpa para o Presidente da República é anedótico, pois antes de decidirem chumbar o OE, Marcelo tinha avisado que em caso de chumbo do Orçamento convocaria eleições – ou seja, é patético posteriormente virem acenar com outras soluções ou referirem que o presidente podia escolher outros caminhos. Não podia, e foi coerente: avisou das consequências da irredutibilidade dos partidos de extrema-esquerda.
As eleições são uma oportunidade de esclarecimento sobre como os portugueses valorizam o governo. E são a forma correta de interpretar a vontade dos cidadãos. Marcelo Rebelo de Sousa avisou antecipadamente que esse seria o caminho se a esquerda não continuasse unida no apoio parlamentar ao governo. E os partidos foram irresponsáveis.
Perante a falta de sentido de Estado de Bloco e PCP, que pagarão caro a sua insensatez, esperava-se que a direita viesse dar uma prova de sentido de Estado e elevasse o debate político aparecendo aos portugueses como uma alternativa credível. Aquilo a que assistimos nos últimos dias mostra o contrário: Rui Rio e Francisco Rodrigues dos Santos montaram um circo esquizofrénico à volta do debate interno no PSD e CDS de consequências desastrosas.
Como escreveu Rui Tavares (“Público”), a política portuguesa está «em estado de desgraça». Se a esquerda não se entendeu para governar o país, a direita não se entende para se governar a si própria. A “geringonça” matou a “geringonça” e Rui Rio e Francisco Rodrigues dos Santos estão a matar a possibilidade de haver uma alternativa a António Costa.
Compreende-se que depois de anos na oposição, Rui Rio queira tentar uma oportunidade de chegar a primeiro-ministro; é razoável que Francisco Rodrigues dos Santos queira agarrar a oportunidade de ser deputado depois de anos a aguentar-se em pé à frente do CDS. Mas quando o Bloco e o PCP decidiram chumbar o OE2022, Paulo Rangel e Nuno Melo já tinham anunciado que seriam candidatos à liderança dos respetivos partidos nos congressos que deveriam ocorrer até janeiro, adiantar o debate interno, contribuir para cimentar uma alternativa, promover um nome aglutinador à direita deveria ser o caminho. Ao escolherem agarrar-se ao poder e impedirem a democracia dentro dos seus partidos escolheram o pior caminho e perderam toda a razão. Até poderiam ser as melhores opções no PSD ou no CDS, mas deveriam ver sufragado esse caminho. Ganhariam a confiança dos seus militantes e o apoio da direita portuguesa. Assim, o PS mesmo com o desgaste de seis anos de governação, aparece como o único partido confiável. Depois de quase dois anos de pandemia, o pior que nos poderia ocorrer era não haver alternativa na democracia portuguesa e António Costa não ter opositor respeitável credível.
Muito para além das escolhas individuais, os portugueses mereciam mais, mereciam que os partidos tivessem a elevação, o sentido de responsabilidade e o sentido democrático que o momento exige. Ou, como disse João Miguel Tavares, ninguém vota em dois cobardes para tomar conta do país, que é como os portugueses olham para Rui Rio e Francisco Rodrigues dos Santos neste momento. O PS agradece.

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.