Ossos do ofício

Julho 27, 2021

Ossos do ofício

Escrito por Luís Baptista-Martins

“A Justiça tem de ser mais célere e não pode deixar os cidadãos tantos anos pendentes de decisões de análise e julgamento”

Por motivos eminentemente políticos era há muito aguardada a decisão judicial sobre o pronunciamento ou não de Álvaro Amaro, Carlos Chaves Monteiro, Victor Amaral, Alexandra Isidro e Carla Morgado. A decisão instrutória foi na passada quinta-feira arrasada pelo Juiz, que concluiu que não havia «provas concretas indiciárias suficientes» para serem pronunciados dos crimes de prevaricação e fraude na obtenção de subsídio de que estavam acusados pelo DIAP de Coimbra. O processo remonta a 2016 e os atos terão sido praticados em 2014, mas só no Verão de 2021 a Justiça ilibou os arguidos que, durante cinco anos, carregaram a cruz da acusação.
A Justiça tem de ser mais célere e não pode deixar os cidadãos tantos anos pendentes de decisões de análise e julgamento. Compreendendo-se que a “Justiça é lenta”, por princípio e por necessidade de averiguar convenientemente todos os ângulos de investigação, mas dois anos depois de feita a acusação exigia-se uma decisão mais rápida. Para além das técnicas, que poderiam há muito ter sido excluídas do processo, o anátema que pesou sobre o antigo presidente da Câmara da Guarda, o atual presidente e o vereador da Cultura foi estigmatizante na vida e na atividade dos arguidos durante cinco anos. Sabemos que isso ocorre em muitos processos, mas não podemos deixar de o lamentar, até pelas conclusões e julgamento público.
A possibilidade de o processo seguir para julgamento era também aguardada em termos de decisão política. Evidentemente, nenhum candidato ou partido expressavam opinião publicamente sobre o assunto. No PSD, quando o então presidente da concelhia Sérgio Costa protestava sobre a escolha de Chaves Monteiro para candidato, argumentava-se sobre o risco de o Tribunal manter Chaves Monteiro debaixo da guilhotina da Justiça. E quando Rui Rio escolheu apoiar a candidatura do atual presidente da Câmara da Guarda em detrimento do então presidente da concelhia, todos sabiam do risco que estava em jogo. Seguramente que, até ser divulgada a decisão de que o processo não avançaria para julgamento, o agora “independente” e até há poucas semanas militante do PSD Sérgio Costa tinha alguma expectativa de que o seu adversário e candidato do PSD fosse pronunciado e tivesse de ir para julgamento defender-se dos crimes de que estava acusado. E o mesmo se poderá especular sobre a candidatura socialista que veria com bons olhos, naturalmente, a possibilidade de ganhar pontos num julgamento que seria demolidor para qualquer candidato a eleições.
Entretanto, o Jornal O INTERIOR e a Rádio ALTITUDE divulgaram os resultados de uma sondagem feita para o PSD nacional sobre as intenções de voto no concelho da Guarda – a única sondagem feita no concelho registada na entidade reguladora cumprindo com os requisitos formais que a lei exige para estudos de opinião; faremos eco de qualquer outra sondagem que venha a ser registada na ERC e que cumpra os requisitos formais e legais. É apenas um estudo de opinião, que “vale o que vale” a mais de três meses das eleições. E a “procissão ainda vai no adro” e, qualquer sondagem a esta distância, não reflete a influência da propaganda, da campanha e da capacidade de atrair pessoas e votos que poderá ocorrer durante a divulgação de apoiantes e propostas. Mas não deixa de ser sintomático, para já, a valorização e a boa imagem de Carlos Chaves Monteiro, que deverá ganhar as próximas eleições para o PSD; a recuperação do PS, ainda que Luís Couto não consiga agregar os socialistas, desavindos desde 2013 (os que na altura não aceitaram a escolha interna e quiseram avançar com uma lista contra o PS e os que não aceitam o regresso dos «traidores» que apoiaram depois Álvaro Amaro contra o PS) e a distância com que parte o candidato independente Sérgio Costa, ainda pouco reconhecido e que, para já, não deverá aspirar a mais do que um lugar de vereador. Nos próximos meses se verá. Agora sem a guilhotina da Justiça sobre a cabeça de Chaves Monteiro e todo tempo de campanha para dirimir argumentos.

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.