loader

O sucesso do país

Agosto 20, 2021

O sucesso do país

“Quando alguns saudosistas afirmam que «antigamente é que era bom», não sabem o que dizem ou estão concentrados no obscurantismo em que sempre viveram”

Há cerca de 30 anos, em visita à então Checoslováquia, descobri que os países da Europa de Leste estavam encurralados por anos de escuridão do Pacto de Varsóvia. A queda dos regimes comunistas acontecia em catadupa e o mundo ocidental descobria países com baixo rendimento per capita, atraso social e económico. Mas com uma dinamização cultural intensa e um nível educacional elevado. A Checoslováquia tinha então uma taxa de alfabetização de 96%; perto de 50% da população tinha frequência universitária e mais de 40% tinha um curso superior; 55% da população lia diariamente um jornal e a maioria dos checoslovacos liam pelo menos um livro por ano…
Portugal tinha então uma taxa de analfabetismo de cerca de 20% da população e havia muitos concelhos com mais de 30% de analfabetos; 18% liam diariamente um jornal e um quinto liam um livro por ano…. O debate sobre a alfabetização existia, mas não era considerado premente. O facto de sermos um país pequeno, e com uma língua comum há séculos, contribuiu para que nunca houvesse necessidade de ensinar português de forma universal nas escolas – questões económicas e culturais, nomeadamente porque ao contrário da maioria dos países da Europa, que por terem diferentes nacionalidades e raízes culturais e linguísticas, no séc. XIX impuseram uma língua comum através da alfabetização – contribuíram para uma escolarização tardia da sociedade portuguesa.
Hoje, em Portugal, ainda existem analfabetos. Uma realidade quase escondida, de pessoas idosas que não tiveram oportunidade de ir à escola e aprender a escrever o seu nome. Olhamos para o assunto com alguma angústia, como uma fatalidade que terminará com a morte dessas pessoas… e assim o assunto ficará resolvido! A preocupação hoje é da infoexclusão e, efetivamente, há muitos projetos e apoios para a infoinclusão – ainda bem, porque este será o analfabetismo do futuro, quando os idosos analfabetos morrerem! Mas é pena que não haja uma política de inclusão que vá para além dos apoios sociais habituais à terceira idade e não permita que aqueles que não sabem ler e escrever, não aprendam a escrever o próprio nome – ainda há pessoas que levantam a pensão com a apostilha do dedo embebido de tinta…
Eu, que aprendi a ler com os títulos dos periódicos enquanto o meu pai lia o jornal, acho uma vergonha nacional este atraso cultural. E, por isso, não posso deixar de me regozijar por perceber as transformações sociais e culturais dos últimos anos. A verdadeira metamorfose de Portugal é cultural. E se houve aspetos em que o país falhou, em que não conseguimos fazer cumprir objetivos e dinâmicas de coesão europeias ou interterritoriais, não tenhamos dúvidas, Portugal é hoje um estado de sucesso porque em menos de 50 anos passou de um país atrasado, pobre e analfabeto, para um estado moderno e com um nível de literacia elevado. Apesar de haver uma taxa elevada de desistências no final do secundário ou de haver adolescentes que não queiram “seguir” os estudos, o facto de haver neste momento 60 mil jovens empenhados em ir para a universidade é a prova de vitalidade e modernidade do país. Tirar um curso superior é uma garantia de um futuro melhor – entre o segundo trimestre de 2021 e o período homólogo de 2020, a população empregada com um curso superior aumentou 15,7%; o aumento de rendimento generalizado, apesar da crise em que vivemos, é exponencial (os salários médios das administrações públicas são, por “culpa” da formação superior, de 2.146 euros contra 1.234 no privado, com 53% dos funcionários do Estado a terem hoje um curso superior.
Quando alguns saudosistas afirmam que «antigamente é que era bom», não sabem o que dizem ou estão concentrados no obscurantismo em que sempre viveram. Quando alguns falam em Estado falhado, exibem uma ignorância infame por não terem capacidade e conhecimento para verem o sucesso do Portugal moderno. Quando alguns nos mandam olhar para o facto de países do antigo bloco de Leste, como a República Checa, que saíram das longas noites do comunismo, e já nos agarraram e nos irão deixar para trás, não sabem que o ponto de partida é diametralmente diferente: os checos têm um conhecimento e uma alfabetização de dezenas de anos, nós estamos a iniciar a consolidação do ensino superior universal. Portugal, hoje, não é apenas um dos países mais seguros do mundo, somos também um país que, finalmente, está a preparar-se para os grandes desafios de futuro. Mas não está sozinho, e há outros que nos levam enorme vantagem, a vantagem da educação e da cultura. Como escreveu Manuel Carvalho, no “Público”, «quando as novas gerações e as suas famílias apostam na qualificação como caminho para uma vida melhor, não são apenas elas que ganham: é todo o país».

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.