loader

O Cidadão de Cidadelhe

Novembro 18, 2021

O Cidadão de Cidadelhe

Por Luís Baptista-Martins

«“Sou natural de Cidadelhe, uma aldeia do concelho de Pinhel. Também pensa lá ir?” Responde o viajante: “Tinha essa intenção. Gostaria de ver. Como está a estrada?” “A estrada está má. Aquilo é o fim do mundo”. (…) “A minha irmã morreu aos sete anos. Tinha eu nove. Deu-lhe o garrotilho, e esteve assim, cada vez pior. De Cidadelhe a Pinhel são vinte cinco quilómetros, nessa altura era carreiro, tudo pedras. O médico não ia lá. Então a minha mãe pediu um burro emprestado e viemos os três, por aqueles montes.” “E conseguiram?” “Nem meio caminho andámos. A minha irmãzinha morreu. Voltámos para casa, com ela em cima do burro, ao colo da minha mãe. Eu ia atrás a chorar” (…)». (In Viagem a Portugal, José Saramago)

O centenário de José Saramago, que se assinala a 16 de novembro de 2022, mas cujas comemorações começaram terça-feira, data em que o “nosso” Nobel da Literatura completaria 99 anos, deve ser uma celebração da cultura e da língua portuguesa. Para evocar a data, as comemorações começaram dia 16 em várias bibliotecas portuguesas, espanholas, cubanas ou brasileiras, e em várias escolas com a leitura do conto “A Maior Flor do Mundo”.
Enquanto a Fundação José Saramago apresentava o projeto “Viagem a Portugal Revisited”, um mapa digital baseado na mais elementar obra de viagens pelo país, recordo alguns dos relatos do “viajante” pela região beirã. Em especial, o relato da noite mal dormida na Guarda (março de 1980) quando Saramago chegou à Guarda, depois da meia-noite, e dormiu no carro porque o Hotel estava esgotado, ou a narração da conversa com o senhor José Guerra no Hotel de Turismo.
A primeira evidencia uma Guarda provinciana e pouco desenvolvida, mas com visitantes e viajantes (hoje diríamos turistas) que esgotavam o grande Hotel de Turismo (há dez anos fechado) – «como é possível, tão grande edifício, e não haver sequer um quarto. Não havia. O frio, lá fora, era de transir. O viajante podia ter pedido a esmola de um sofá na sala de espera, para esperar a manhã e um quarto despejado, mas sendo pessoa com o seu orgulho entendeu que esta sua tão grave imprevidência merecia punição, e foi dormir dentro do automóvel. Não dormiu…».
A segunda levou Saramago a Cidadelhe para dar a conhecer ao mundo uma extraordinária obra imaterial, carregada de misticismo e tradição, o Pálio. Mas se a «espécie de patrono laico, um deus tutelar», o Cidadão de Cidadelhe, que desde 1656 é disputado, escondido e amado por «um povo tão carecido de bens materiais», exemplar único e motivo de todas as conversas sobre Cidadelhe, é o relato da conversa inicial, ao jantar, no Hotel de Turismo, entre o escritor e o chefe de mesa, que aqui mais me interessa e me obriga a refletir sobre a região que fomos, sobre o atraso e a pobreza em que sempre vivemos. «Diz o senhor Guerra: “Sou natural de Cidadelhe, uma aldeia do concelho de Pinhel. Também pensa lá ir?” Responde o viajante: “Tinha essa intenção. Gostaria de ver. Como está a estrada?” “A estrada está má. Aquilo é o fim do mundo”. (…) “A minha irmã morreu aos sete anos. Tinha eu nove. Deu-lhe o garrotilho, e esteve assim, cada vez pior. De Cidadelhe a Pinhel são vinte cinco quilómetros, nessa altura era carreiro, tudo pedras. O médico não ia lá. Então a minha mãe pediu um burro emprestado e viemos os três, por aqueles montes.” “E conseguiram?” “Nem meio caminho andámos. A minha irmãzinha morreu. Voltámos para casa, com ela em cima do burro, ao colo da minha mãe. Eu ia atrás a chorar” (…)».
Este era o país que fomos, onde se morria por falta de assistência médica, por falta de estradas, por sermos uma região onde a miséria grassava e a pobreza dominava. Felizmente, já não é assim. Felizmente, andámos muito para aqui chegar. Mas mesmo depois de uma grande viagem, não podemos deixar de reivindicar melhores condições, e por isso precisamos de um melhor hospital distrital, porque hoje não se morre no carreiro, mas morre-se no centralismo, no abandono a que fomos votados. Morre-se de morte lenta. Porque continuamos a estar no «cabo do mundo, no cabo da vida. Se não houver quem se lembre».
Neste ano de Centenário de José Saramago deixo um repto à CIMBSE e aos municípios: a criação de uma rota turística da Viagem de Saramago pela região e a evocação formal e material da obra literária que o Nobel nos legou e que passou pelo nosso território – em especial a “Viagem a Portugal” e a “A Viagem do Elefante”; à Câmara de Figueira de Castelo Rodrigo que poderia instalar, por exemplo, um centro de estudos da “Viagem do Elefante”; ou Pinhel, que poderia instalar um centro de estudos do “Cidadão de Cidadelhe” naquela freguesia, «o calcanhar do mundo». Tal como tantos outros, que viajámos até à Casa das Tías, em Lanzarote, para conhecer mais dos lugares e das personagens do Nobel, poderíamos “viajar” pelas nossas terras e receber tantos seguidores de palavras memoráveis e das histórias imortalizadas por José Saramago. A minha avó era de Cidadelhe, e não «posso ficar indiferente quando me dizem que terras assim estão condenadas a desaparecer».

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.