loader

Guarda: 822 anos

Novembro 26, 2021

Guarda: 822 anos

A cidade da Guarda comemora dia 27 mais um aniversário da concessão do foral por D. Sancho I, em 1199. O Dia da Cidade é um momento alto do ano, é um momento de celebração, mas também um dia de reflexão sobre a cidade.
A Guarda começou há um mês uma nova etapa, com um presidente de Câmara sem maioria, que precisa de tempo, mas também de serenidade, de ideias, de esforço e dedicação administrativa e política – onde os equilíbrios e o diálogo têm de ser uma constante.
Exercer o poder, na sua aceção aristotélica, é um elemento-chave para o entendimento das relações sociais. E o seu exercício é determinante para organizar a sociedade e promover o desenvolvimento. O que se espera de quem governa é que tenha a arte e engenho de conseguir, mesmo que em minoria, atrair e agregar apoios para implementar os seus projetos e ambições. É isto que se espera de Sérgio Costa. É isto que tem de conseguir o novo presidente da Câmara. Muito mais do que lamentar a falta de apoio, tem de olhar para a frente e trilhar um caminho em que todos possam ser parte. E isso é possível. Mesmo não duvidando que Chaves Monteiro vai naturalmente colocar pedras no caminho, vai procurar mostrar que tinha razão, vai agarrar-se a convicções obtusas porque ainda não percebeu o que aconteceu e não refletiu sobre os muitos erros e inépcia demonstrada, e não compreendeu que perdeu as eleições – de forma inglória, o ex-presidente da Câmara vai acabar por se cansar e abandonar o lugar de vereador.
Este Dia da Cidade tem de ser, deve ser, a primeira celebração de um novo ambiente, de um novo pulsar, pelo futuro da Guarda (deveria ter sido na tomada de posse, mas não foi, porque os discursos da ex-presidente da Assembleia Municipal e do novo presidente de Câmara foram de ressentimento e a olhar para o passado), em que as diferenças têm de ser esbatidas e a divergência faça parte do debate político de forma sã, democrática e enriquecedora para benefício de todos. É hora de olhar em frente. É tempo de deixar para trás as discussões estéreis e o olhar para o umbigo.
Nesta edição, entrevistamos o presidente da Câmara da Guarda para contribuirmos, desde já, para o esclarecimento das grandes opções da autarquia para este mandato. Uma entrevista em que Sérgio Costa se resguarda e abstém de falar de muitos dos anseios dos guardenses – de propostas e projetos definidores do futuro coletivo, das principais obras (materiais ou imateriais) e dos caminhos que a cidade terá de percorrer. Compreende-se, chegou há pouco tempo à presidência. Mas Sérgio Costa leva oito anos no executivo e conhece muito bem a realidade e o contexto das diferentes opções que defende. Confirma tudo o que propôs em campanha e defende as linhas que o levaram ao poder. Confiante na sua caminhada, não fecha a porta a um possível regresso ao PSD, mas deixa claro que, para já, essa não será a sua opção, até porque se sente muito confortável no lugar de autarca “independente” – e sabe que chegou ao poder com muitos votos do PSD, mas também com muitos e muitos votos de socialistas e só mantendo a aureola de independente poderá manter esses votos.
Comemorar o foral da cidade é também um momento inspirador, um momento de elogio, de elevação da autoestima e de satisfação. E também um momento de acreditar que ainda há tempo e espaço para reinventar e dar nova dimensão à urbe. Num tempo de dúvidas e incertezas generalizadas, a Guarda, como o país, deve reorientar a sua estratégia, redefinir o seu horizonte, porque há um tempo novo onde há muito para construir. Precisamente esta semana foi apresentado o “Pequeno Livro Aberto Sobre o Interior” que apresenta, nomeadamente, um estudo onde refere que 60% dos jovens entre os 15 e os 25 anos, residentes no interior de Portugal, querem mudar-se para o litoral. Enquanto celebramos a “antiguidade” de uma cidade com mais de oito séculos, não podemos deixar de olhar e refletir sobre a vontade de partir dos mais jovens e recordar que o maior problema do nosso território é o despovoamento e a falta de oportunidades.

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.