PS concelhio quebra o silêncio sobre o contrato do Hotel: «O que fez Álvaro Amaro para esta solução?»

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • PS concelhio quebra o silêncio sobre o contrato do Hotel: «O que fez Álvaro Amaro para esta solução?»

A comissão política concelhia do Partido Socialista toma posição sobre a assinatura do contrato do Hotel de Turismo da Guarda e é a única estrutura partidária ou governamental a responder ao desafio feito pelo PSD a várias vozes no fim-de-semana [ver notícias anteriores aqui, aqui e aqui].

Em entrevista à Rádio, poucas  horas depois de ter tornado público um comunicado sobre o assunto, o presidente da concelhia, Agostinho Gonçalves, garante que o que aconteceu em Lisboa, nos serviços do Turismo de Portugal, na passada sexta-feira não passou de uma formalidade administrativa que não necessitava de expressão pública. O presidente da Câmara da Guarda não teria de ser convidado, até por uma razão de fundo que o dirigente socialisa resume numa pergunta: o que fez Álvaro Amaro «para esta solução?».

Diferente será o início das obras, que Agostinho Gonçalves adianta que acontecerá na presença da secretária de Estado do Turismo e de todos os intervenientes e interessados. E essa será a única cerimónia a decorrer na Guarda, após a da assinatura do memorando entre os ministérios das Finanças e da Cultura, o Turismo de Portugal e a Câmara da Guarda, em Julho de 2017, que marcou a inclusão do imóvel no programa REVIVE.

O presidente da concelhia do PS procura desmentir que actos semelhantes tenham acontecido em relação aos concursos já lançados no âmbito do mesmo programa, nomeadamente em Elvas e nas Caldas da Rainha, ao contrário do que Álvaro Amaro e o presidente da concelhia do PSD, Tiago Gonçalves, tinham afirmado para assinalar a diferença de tratamento por parte do Governo na assinatura do contrato de concessão da unidade hoteleira.«Nas Caldas da Rainha o que houve foi só a assinatura de um memorando», tal como aconteceu na Guarda, garante o líder dos socialistas.

Mas é na própria página do REVIVE na Internet que que pode ler-se que, concluído o concurso e escolhido o vencedor,  «no dia 8 de Setembro de 2017 foi assinado o contrato de concessão para a instalação de um estabelecimento hoteleiro nos Pavilhões do Parque D. Carlos I» ao grupo Visabeira, em cerimónia que teve lugar na Câmara Municipal daquela cidade. Tal como a 21 de Outubro de 2017 seria assinado em Elvas, com a presença do ministro da Economia (e da secretária de Estado do Turismo), o contrato para a concessão do Convento de São Paulo ao grupo Vila Galé. Assinaturas formalmente equivalentes à que foi realizada em Lisboa, no passado dia 4 de Maio, para a concessão do Hotel de Turismo da Guarda ao grupo MRG.

Confrontado com estes factos, o presidente da concelhia do PS diz fazer uso da informação que lhe foi oficialmente prestada pelo próprio gabinente da secretária de Estado do Turismo, referindo-se apenas a cerimónias onde Ana Mendes Godinho marcou presença. Não foi o caso da assinatura do contrato nas Caldas da Rainha, onde a governante só compareceu na assinatura do memorando entre as entidades, reiterou.

Nega, também, que alguma estrutura do Partido Socialista a nível local tenha feito pressão junto do Governo para a que o contrato de concessão do hotel não fosse assinado na Guarda.

Oiça aqui:

 

 

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.