Presidente da ULS: «Não havendo objectivos gerais, os próprios profissionais criam os seus, às vezes mesquinhos»

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • Presidente da ULS: «Não havendo objectivos gerais, os próprios profissionais criam os seus, às vezes mesquinhos»

O presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde da Guarda promete “cortar a direito” naquilo que classifica como «vícios instalados» numa instituição que não tem, segundo diz, uma cultura de gestão nem de objectivos: «Não havendo objectivos gerais, os próprios profissionais criam os seus, às vezes mesquinhos».

Entrevistado este fim-de-semana no programa “Casa da Rádio”, Carlos Rodrigues garante que vai «mexer no for preciso», num hospital onde a ideia de emprego para a vida tem feito «instalar vícios e impedido que novos quadros se sintam bem-vindos».

Nesta entrevista exclusiva à Rádio, o presidente da ULS repete várias vezes que não vai tolerar «interesses instalados». E irá permitir que se iniciem novos interesses, por exemplo, através dos concursos para a admissão de funcionários? Carlos Rodrigues não fugiu à pergunta sobre a possível admissão de elementos ligados à campanha do PSD e do CDS para as autárquicas. Garante que nunca deu – nem lhe pediram para dar – qualquer indicação sobre candidatos, ou candidatas, com eventual direito de preferência. Qualquer leitura em contrário não atinge o actual conselho de administração da ULS, garante o presidente, uma vez que os concursos foram abertos, nalguns casos, há mais de três anos. Carlos Rodrigues afirma que não tem responsabilidade sobre favores que outros possam ter assumido e que nunca deu instruções a nenhum júri.

O novo presidente da ULS revela também que nunca as contas da empreitada foram entregues ao Tribunal de Contas. E diz que esta é apenas uma das «situações por explicar» relacionadas com as obras.

Quanto à segunda fase da obra do programa funcional iniciado em 2009, não podia ser mais claro: não há, nem estará para haver novos investimentos no Hospital da Guarda. Esqueçamos, por agora,  a remodelação do edifício dos anos 50 ou a recuperação dos pavilhões históricos. Tudo o que está previsto é resolver os problemas no bloco das antigas urgências e abrir uma cozinha e um refeitório.

São extractos de uma longa entrevista, a primeira concedida desde que assumiu funções, em Fevereiro.

Oiça aqui:

 

Oiça aqui a entrevista na íntegra:

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.