loader

Militantes querem impugnar eleições no PSD. «Jogo de toupeira», responde Carlos Peixoto

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • Militantes querem impugnar eleições no PSD. «Jogo de toupeira», responde Carlos Peixoto

As eleições para a distrital do PSD também podem estar envoltas em polémica. O presidente da Comissão de Jurisdição, António Oliveira, disse à Rádio que ainda não recebeu qualquer reclamação, mas haverá militantes na disposição de pedir a impugnação com base em dúvidas sobre a legalidade de alguns nomes que fizeram parte da listas únicas votadas no passado dia 5. Há três casos que levantam suspeitas a um grupo não alinhado com a liderança de Carlos Peixoto. Um refere-se a um candidato na lista ao órgão de fiscalização, que não teria as quotas pagas. Outro tem a ver o facto de o candidato a presidente dessa estrutura ser também o contabilista que presta serviços ao partido. E a terceira situação prende-se com uma militante – que é agora colaboradora próxima de Álvaro Amaro na Câmara da Guarda – que os contestatários dizem não ter tempo de filiação suficiente para ter figurado nas listas. Situação que o reeleito presidente da comissão política distrital, Carlos Peixoto, refuta garantindo que a candidata em causa, Rita Figueiredo, tem mais de duas décadas de militância e terá transferido a filiação para a Guarda há mais de dez anos, concretamente «em Agosto de 2005», segundo assegura. Quanto ao nome que encabeça o órgão de fiscalização e auditoria, trata-se de António Peres, também muito próximo do presidente da Câmara. Mas as contas, diz Peixoto, «são sempre votadas em assembleia distrital» e «com os votos consensuais de todos os delegados». Por isso, as dúvidas agora levantadas apenas pretendem colocar em causa «a honra de pessoas que têm demonstrado uma grande verticalidade», na leitura do deputado. Diferente é o caso de um candidato na mesma lista encabeçada por Peres. De facto, reconhece o presidente da distrital, o militante João Almeida «ter-se-á esquecido de pagar as quotas». Mas a solução «é muito simples»: «não toma posse», até porque se tratava de um suplente. Carlos Peixoto tenta assim minimizar a polémica que possa surgir destes casos, afirmando que «nós não precisamos de ganhar eleições com irregularidades», até porque só havia uma lista. E associa a contestação a um «jogo de toupeira» de militantes que não conseguiram formar uma candidatura que enfrentasse «as listas que estavam a sufrágio» nas eleições de 5 de Março.

Oiça aqui:

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.