Metade do Hotel de Turismo será para residência de estudantes ou actividades de saúde

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • Metade do Hotel de Turismo será para residência de estudantes ou actividades de saúde

Cerca de metade do edifício do Hotel de Turismo da Guarda, concessionado em 2018 ao grupo MRG ao abrigo do programa Revive, poderá ser destinada a «componente não hoteleira», recebendo outras funções de modo a garantir o uso total do imóvel e a sustentabilidade da intervenção, nos termos do concurso aberto pelo Turismo de Portugal há exactamente dois anos, a 1 de Agosto de 2017, que já contemplava a “constituição de um direito de superfície que tem como objeto o imóvel denominado ‘Hotel de Turismo da Guarda’, com vista ao desenvolvimento da reabilitação, requalificação e outras obras que sejam necessárias para a posterior exploração de um empreendimento turístico hoteleiro, que não pode ocupar uma área bruta de construção inferior a 50,1% do imóvel” [ver aqui]. Na entrevista que deu à Rádio enquanto cabeça de lista do PS pela Guarda às próximas eleições legislativas, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, confirmou que «estão a ser equacionadas duas utilizações que podem ser admitidas»: uma residência para estudantes e um equipamento na área da Saúde, eventualmente clínica médica ou centro de bem-estar (spa) e ginásio. Essas valências ocupariam a parte traseira do edifício, com entrada pelo Largo de São Francisco. A recuperação para fins hoteleiros deverá privilegiar o bloco principal, com frente para a Praça do Município, o único que tem verdadeiro valor histórico e arquitectónico. «A entidade que ganhou o concurso tem estado a desenvolver o próprio progarama de intervenção no imóvel», refere Ana Mendes Godinho, confirmando que o grupo com origem em Seia (liderado pelo antigo presidente do NERGA, Fernando Gouveia) «tem estado a desenvolver contactos com possíveis parceiros» para garantir a parte não hoteleira. A secretária de Estado esclarece, contudo, que «mesmo para que esta parceria seja desenvolvida tem de haver acordo do Governo». E assegura que «tenho estado a acompanhar permanentemente» o processo, para «garantir que vamos resolvendo os problemas».

Oiça aqui:

 

 

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.