Hotel de Turismo será integrado no programa REVIVE para concessão a privados

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • Hotel de Turismo será integrado no programa REVIVE para concessão a privados

O edifício do Hotel de Turismo da Guarda vai integrar a rede de imóveis históricos e turísticos do Programa REVIVE e será colocado a concurso para concessão a um investidor privado que ali desenvolva um projecto turístico.

A Rádio apurou que essa é a solução que o Governo acaba de decidir para o futuro daquele espaço.

Será a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, a anunciá-la esta sexta-feira durante a inauguração da Feira Ibérica de Turismo, onde estará também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O primeiro-ministro esteve na abertura da edição do ano passado e na altura o presidente da Câmara, Álvaro Amaro, pediu a António Costa celeridade na solução, goradas que tinham sido as duas hastas públicas anteriores: uma para venda do edifício por um 1 milhão e 700 mil euros e outra para arrendamento com opção de compra pelo mesmo valor. O grupo Visabeira ainda foi à fase final do segundo concurso mas desistiu quando não viu aceite a pretensão de um período de carência de pagamento de rendas até ao início da operação hoteleira.

A resposta do chefe do Governo chega um ano depois, por intermédio da responsável da pasta do Turismo e já depois de o autarca se ter disponibilizado a propor que o próprio município adquirisse o edifício para a seguir o colocar no mercado, se o Estado não tivesse outra solução e aceitasse revendê-lo ao proprietário original.

A última avaliação imobilária, feita há poucos meses, apontava para um preço-base de 1 milhão e 500 mil euros.

A Câmara vendeu-o por 3 milhões e 500 mil euros ao Turismo de Portugal, em Maio de 2011, no último mandato de Joaquim Valente.

O acordo então celebrado com o Estado previa a reabiltação da unidade hoteleira e a abertura de uma escola de turismo e hotelaria. Mas o Governo mudou naquele ano e o executivo liderado por Pedro Passos Coelho não deu cumprimento ao contrato, tendo-se limitado a liquidar a parte em falta pela compra do imóvel, que entraria nos cofres da autarquia em Fevereiro de 2012.

A então secretária de Estado do Turismo, Cecília Meireles, em resposta a uma pergunta da Rádio no início do mandato do governo PSD/CDS, afastou qualquer possibilidade de investimento na requalificação do hotel ou da criação de uma escola temática.

Decorridos quase seis anos, a opção do executivo de António Costa também não vai no sentido de ser o Estado a assumir a reconstrução e a gestão do hotel, preferindo a concessão – mas sem venda – a privados. Resta saber se o projecto da escola de hotelaria será recuperado.

Era, em todo o caso, previsível que o Governo não deixasse passar a Feira Ibérica de Turismo sem ter uma solução para anunciar. E assim o edifício desenhado na década de 30 do século passado pelo arquitecto Vasco Regaleira, encerrado desde Outubro de 2010, passa a integrar a lista onde se encontram castelos, fortes, conventos, mosteiros, palácios, solares e quartéis degradados em todo o país e que vão ser entregues a investidores privados através de concursos para a concessão de direitos de exploração como unidades hoteleiras de gama alta.

O imóvel não será vendido mas sim entregue ao vencedor do concurso por um período longo (nunca inferior a 40 anos, de acordo com os concursos já abertos para outros edifícios ao abrigo do Programa REVIVE), tendo o investidor a responsabilidade das obras de reabilitação e da futura gestão do hotel. Em contrapartida, terá acesso a uma linha específica de financiamento comunitário.

Poderá ser a própria Câmara da Guarda a promover o concurso público internacional, a exemplo do que aconteceu com imóveis deste programa noutros pontos do país.

Em Elvas já foi entregue ao grupo Vila Galé a exploração do Convento de São Paulo, depois do concurso feito por aquela autarquia no ano passado e do acordo assinado com a Direcção-Geral do Património e com a Direcção-Regional de Cultura do Alentejo.

A Câmara de Caldas da Rainha também abriu em Fevereiro concurso para a concessão dos velhos pavilhões termais do Parque D. Carlos I.

Na região há um imóvel disponível no município do Fundão (o antigo Colégio de São Fiel) e outro no de Idanha-a-Nova (o Solar de Marrocos, integrado numa velha vila romana). 

O antigo Hotel da Guarda vai agora juntar-se à lista de edifícios para desenvolvimento de projectos turísticos.

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.