loader

Eduardo Brito inaugurou sede de candidatura: estes quatro anos foram só «um parêntesis» na governação do PS na Câmara

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • Eduardo Brito inaugurou sede de candidatura: estes quatro anos foram só «um parêntesis» na governação do PS na Câmara

O candidato do PS à Câmara da Guarda, Eduardo Brito, inaugurou ontem, ao final da tarde, a sede de campanha. Fica situada à saída da Central de Camionagem e tem como lema “outro caminho”. Intervieram a mandatária, Luísa Campos, e o presidente da comissão de honra, António José Dias de Almeida. Foi também confirmado o nome do cabeça de lista à Junta de Freguesia da Guarda, Fábio Pinto, que a Rádio tinha avançado na véspera [ver notícia aqui]. Marcaram presença algumas dezenas militantes e simpatizantes  do Partido Socialista e não só: na sede de campanha de Eduardo Brito estiveram, por exemplo, Carlos Gonçalves – ex-militante social-democrata que, recentemente, se afastou da candidatura independente apoiada pelo CDS – e Jorge Libânio, o anterior presidente da concelhia da Guarda do PSD, que em 2015 viu gorada a nomeação para candidato à Assembleia da República pelo partido que liderava localmente. A mandatária da candidatura abriu simbolicamente o espaço que anunciou como um «local de debate» para «conversar e ouvir as queixas das pessoas». Luísa Campos denunciou que «andam por aí alguns que se deixam enganar com papas e bolos», garantido que «quem apoia Eduardo Brito não se deixa seduzir nem por foguetes nem por festarolas de várias cores e feitios». Foi António José Dias de Almeida quem deu um mote de algum ânimo ao discurso para a campanha: estes quatro anos de maioria PSD/CDS na Câmara da Guarda não podem ter sido senão «um parêntesis» na história governação socialista na autarquia. Apenas um «episódio» que, defende o professor, deverá ter fim nas eleições de 1 de Outubro. Até para recompensar «a coragem» que Eduardo Brito demonstrou ao ser candidato. De resto, a candidatura alterou radicalmente a imagem de campanha. Abandonou os tons de azul iguais aos utilizados por José Igreja há quatro anos (quando perdeu a Câmara) e surge agora de vermelho, com o histórico símbolo do PS em grande destaque. Uma tentativa de puxar pelos afectos num concelho «com alma socialista» e onde, acredita um dirigente na explicação dada à Rádio, «o desenho do punho» ainda deverá render votos, como aconteceu ao longo de 37 anos. Por outro lado, trata-se de uma aproximação gráfica à imagem do Partido Socialista a nível nacional, numa altura em que «o governo está a governar bem» e aparece em alta nas sondagens.

Oiça aqui:

 

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.