Carlos Rodrigues, presidente da ULS: «sou um gestor público e não um político»

  • Home    /    
  • Atualidade    /
  • Carlos Rodrigues, presidente da ULS: «sou um gestor público e não um político»

Carlos Rodrigues confessa que a Unidade Local de Saúde da Guarda é a organização mais complexa que já foi chamado a gerir e classifica as funções em que foi investido há quase um ano e meio como um «contínuo e estimulante desafio». Entrevistado no programa "Casa da Rádio" (na semana em que se assinalou o 109º aniversário da inauguração do Sanatório Sousa Martins), o presidente do conselho de administração da estrutra que agrega os hospitais da Guarda e de Seia, 13 centros de saúde e uma unidade de saúde familiar garante que vestiu a camisola não só da instituição como da cidade, em relação à qual recusa ser tratado como forasteiro. Admite que há «uma minoria» que o vê como estranho à Guarda e não esconde o espanto quando ouve intervenções como a de um elemento do PS local, que na última Assembleia Municipal assumiu que a equipa da ULS não estaria em funções durante muito mais tempo [recordar notícia aqui], fundamentando a possível substituição no facto de quase nenhum dos elementos ter naturalidade local. Carlos Rodrigues responde criticando este género de argumentação, mesmo que enquadrada no debate político: porque viola direitos constitucioinais; porque é redutora do ponto de vista da gestão das organizações; e também porque é deselegante no plano pessoal. O doutorado em Gestão, natural de Caldas da Rainha, que antes de vir para a Guarda dirigia o curso de Gestão em Saúde numa universidade privada em Lisboa [recordar perfil aqui] também não rejeita a amizade que o liga ao presidente da Câmara da Guarda mas diz que esse não foi o critério determinante para o convite que o anterior ministro da Saúde lhe fez. E recorda nesta entrevista como conheceu Álvaro Amaro e chegou a seu chefe de gabinete no Ministério da Agricultura num dos executivos de Cavaco Silva. De resto, foram vários os cargos que ocupou enquanto dirigente público, nomeado por todos os governos – do PSD, do PS e de coligações PSD/CDS – desde a década de 80. Afirma que gostaria de cumprir o mandato (que vai sensilvelmente a meio) na administração da Unidade Local de Saúde da Guarda e que os resultados já alcançados podem ser medidos, sendo esse balanço feito em parte nesta entrevista. Mas encara com naturalidade qualquer cenário, incluindo o da eventual substituição, sublinhando sempre que é «um gestor público e não um político». Não deixa é de alertar para o facto de o cargo não ser «uma cadeira dourada» e de haver «muito muito que fazer para quem queira realmente trabalhar», como assegura ser o próprio caso: «estou dedicado inteiramente ao interesse público».

Oiça aqui:

 

Definições de Cookies

A Rádio Altitude pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies permitem-nos analisar a utilização do site, por forma a podermos medir e melhorar o respectivo desempenho.
Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.