Actualidade

Foi a partir da Guarda que se formou a Orquestra Académica Filarmónica Portuguesa e é nesta cidade que está fixada a sede do projecto musical que tem como principal objectivo a formação de jovens talentos. Junta alunos de instituições locais e alguns dos melhores jovens intérpretes a nível nacional. As residências artísticas são dirigidas pelo maestro Osvaldo Ferreira e decorrem no Teatro Municipal da Guarda, onde foi feito o concerto de estreia. A parceria com a Câmara da Guarda (instalações e logística) custa cerca de 70 mil euros.

Oiça aqui:

Foi um dos momentos mais vivos da Assembleia Municipal da semana passada. Debatia-se o apoio às freguesias e o deputado do PS, Hugo Carvalho, fazia as contas à aparente discrepância entre valores, salientando que juntas como a de Vila Cortês do Mondego têm recebido nos últimos anos proporcionalmente mais do que a média. O presidente, Lúcio Valente, socialista nas eleito pelo PSD nas últimas eleições, não tardou a responder.

Oiça aqui:

 

Pode haver outros edifícios na Guarda que venham a ser destinados ao alojamento de estudantes do Instituto Politécnico, incluindo a antiga residência feminina na Rua António Sérgio, onde está o Centro Operacional da Protecção Civil. A abertura para essa e outras soluções foi deixada pelo secretário de Estado do Ensino Superior. João Teixeira reuniu na semana passada com Joaquim Brigas, presidente do Politécnico, e Carlos Chaves Monteiro, presidente da Câmara, que querem ver resolvida a questão do futuro do edifício da Pousada da Juventude. Para o presidente do IPG não há outro cenário do que aquele que foi publicado em decreto do Governo há dois meses e que integra o imóvel na rede de residências universitárias. E mesmo assim não chegará para as necessidades. Já o presidente da Câmara defende que a Guarda não pode ser obrigada a escolher: solução para o alojamento académico, sim; Pousada da Juventude, também. Por isso o autarca ouviu com agrado o governante dizer que pode haver financiamento para outras soluções. De qualquer forma, o secretário de Estado apela ao IPG e à autarquia que se articulem e cheguem a um entendimento sobre as futuras funções do edifício na Avenida Alexandre Herculano. Serão aquelas que a Guarda decidir, sublinha.

Oiça aqui:

O deputado do PS, Santinho Pacheco, que foi o convidado da edição da passada semana do Programa da Rádio “O Mundo Aqui”, revelou que a requalificação do pavilhão 5 do Hospital da Guarda não poderia ser incluída no programa de investimentos do Ministério da Saúde porque o projecto foi recebido pelo actual conselho de administração da Unidade Local de Saúde com insuficiência de dados, até no plano da orçamentação. Situação que está a ser resolvida, assegurando o parlamentar que nesta como noutras questões a relação entre a equipa liderada por Isabel Coelho e o ministério de Marta Temido «é óptima».

Oiça aqui:

 

 

A GNR tem na estrada desde hoje a “Operação Páscoa” com especial atenção para as principais vias rodoviárias. Neste fim de semana alargado, que se prevê de grande movimento, o objectivo das autoridades é patrulhar e fiscalizar mais para evitar acidentes, diz o major Cláudio Saraiva, oficial de relações públicas da GNR da Guarda. Mas nas fronteiras, desta vez, não haverá concentração de camiões. Espanha decidiu acabar com as restrições de circulação de veículos pesados na segunda-feira a seguir à Páscoa, como acontecia.

Oiça aqui:

 

 

Todos de acordo: PSD, PS, BE e CDU aprovaram um voto de protesto contra o Governo pela falta de investimento no Hospital da Guarda, apresentado pelo CDS. A Assembleia Municipal voltou assim a exprimir-se de forma unânime num ponto relacionado com a saúde.

Oiça aqui:

A  GNR da Guarda entregou esta semana 600 peças de vestuário a cinco misericórdias do distrito: Almeida, Figueira de Castelo Rodrigo, Pinhel, Sabugal e Vila Nova de Foz Côa. A mercadoria contrafeita foi apreendida ao longo de 2018 em diversas ações de fiscalização rodoviária e em mercados e feiras da região.O major Cláudio Saraiva explica que a doação desta roupa acontece por decisão judicial, depois de ter sido declarada perdida a favor do Estado. Com esta iniciativa, e outras anteriores, a GNR pretende apoiar famílias carenciadas de vários pontos do distrito.

Oiça aqui: