Actualidade

75 mil euros é quanto vai custar o novo mobiliário urbano para a rua do Comércio. Álvaro Amaro confessa agora que nunca gostou do anterior (bancos e floreiras em madeira) e decidiu fazer outro ajuste directo para a colocação de novo equipamento, também coberto em grande parte por fundos comunitários. O vereador do PS, Pedro Fonseca, diz que já são tantas as alterações que a requalificação da rua «está a ficar demasiado cara». Nada que se compare com o que foi deixado por fazer na Praça Velha, contrapõe o presidente da Câmara.

Oiça aqui:

Abriu sexta-feira no Sabugal o maior presépio natural do país. Desta vez são mais de mil e 100 metros quadrados, no Largo da Fonte, o que leva o presidente da Câmara, António Robalo, a falar de uma tradição cada vez «maior e melhor». Ao mesmo que tempo que atrai milhares de visitantes, também de Espanha, presende ser uma mostra dos recursos naturais do concelho. Pode ser visitado até 7 de Janeiro.

Oiça aqui:

A Câmara da Guarda decidiu na reunião de ontem não mexer nos valores do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e de outros impostos e taxas, não alterando também as tarifas da água para 2019. Álvaro Amaro justifica a medida com a necessidade de cobrir investimentos que estarão em curso no próximo ano (Passadiços do Mondego e despoluição do Rio Noéme, por exemplo) enquanto não houver garantias de financiamentos comunitários, que deverão ser negociados com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional no âmbito da reprogramação do quadro estratégico 2020, adiantou o presidente da Câmara. E invoca, por outro lado, as necessidades de provisão financeira para o diferendo com a empresa Águas de Portugal. A oposição só esteve representada por um vereador. Eduardo Brito, que tem feito da redução dos impostos municipais uma bandeira política, não compareceu à sessão. Foi Pedro Fonseca quem votou sozinho contra as propostas, alegando que uma redução do IMI em 2019, além de ter efeitos positivos junto dos munícipes, daria à Câmara outra capacidade de reivindicação junto do Governo. Na mesma reunião foi aprovada a redução das obrigações fiscais relacionadas com o projecto de requalificação do Hotel de Turismo. E foi ainda votado favoravelmente o reconhecimento de interesse municipal de dois projectos de turismo rural no vale do Mondego, num dos quais o promotor é o vice-presidente da Câmara, Carlos Monteiro. A oposição, pela voz de Pedro Fonseca, não viu nenhum problema legal nem ético neste caso particular: «eu também sou empresário e sou vereador, não executivo, e acho que não seria impeditivo eu querer aumentar o meu plano de negócios e recorrer aos apoios que o município confere», justificou o vereador do PS. E o presidente da Câmara também não encontrou impedimentos: «então o cidadão Carlos Monteiro não pode estar a fazer um investimento de alojamento local ou por ser vereador perde direitos de investidor, desde que não colidam?», foram as perguntas com que Álvaro Amaro deu a resposta.

Oiça aqui:

Uma das várias exposições paralelas ao Transversalidades (um dos maiores concursos de fotografia do país, organizado na Guarda pelo Centro de Estudos Ibéricos) desafia o tempo, ao longo da Avenida dos Bombeiros. Mostra imagens antigas da cidade e é uma forma, também, de «matar saudades».

Oiça aqui:

O até agora director técnico da Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior assumiu a presidência, sucedendo a João Carvalho. É uma nova responsabilidade na instituição à qual se dedicou «de corpo e alma» durante os últimos quase vinte anos.

Oiça aqui:

Deve começar já em Janeiro um programa de tele-assistência, promovido pela GNR da Guarda, para apoiar idosos da região que vivem sós e isolados. O projecto tem o apoio de uma dezena de municípios do distrito e permite colocar a tecnologia ao serviço, para já, de cerca de duas centenas de pessoas. Uma solução que já recebeu alguns prémios, mesmo antes de estar implementada.

Oiça aqui:

Há uma empresa da Guarda que está entre as cem melhores  do país para trabalhar. A distinção à Comunilog foi atribuída, pela revista "Exame", entre muitas concorrentes, diz o sócio-gerente, Nuno Silva. Um prémio para uma marca da Guarda que já está em todo o país.

Oiça aqui: