Américo Rodrigues acaba de ser demitido da direcção do Teatro Municipal da Guarda. A decisão foi-lhe comunicada directamente pelo presidente da Câmara, Álvaro Amaro, tendo como fundamento a convocatória de uma conferência de imprensa, pelo próprio Américo Rodrigues e alegadamente sem autorização superior, na qual pretendia prestar esclarecimentos acerca do «processo de contratação do espectáculo comemorativo do dia da Cidade, outros assuntos relativos à Culturguarda e à posição do seu actual director» e disponibilizaria «documentos comprovativos da veracidade das informações», conforme se lê no convite que enviou aos órgãos de comunicação social, esta manhã. 

A conferência de imprensa está agendada para as 12 horas nas instalações no Teatro e será, na prática, uma resposta do programador cultural da autarquia, em funções como director artístico do TMG desde a abertura em 2005, ao presidente da Câmara, que na segunda-feira passada tinha anunciado que o concerto de Cristina Branco será suportado integralmente pela empresa municipal Culturguarda [ver notícia anterior aqui].

Álvaro Amaro terá invocado «deslealdade funcional» e «desrespeito para com os órgãos hierarquicamente superiores» para demitir Américo Rodrigues das funções.