Já está marcada a Feira Ibérica de Turismo de 2020. A sétima edição terá lugar de 30 de Abril a 3 de Maio e Cuba aceitou ser o país convidado, na sequência da visita à Guarda da Embaixadora em Portugal, Mercedes Valdez, em Abril passado. Foi o então novo presidente da Câmara da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, que no primeiro acto público depois de substituir Álvaro Amaro aproveitou a deslocação da diplomata para sinalizar que a FIT é para prosseguir e para alargar horizontes. O convite ficou feito, no sentido de uma cooperação que também poderá acontecer através do apoio à candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura em 2027. A Embaixadora respondeu positivamente aos dois desafios e ainda manifestou disponibilidade para uma articulação noutras áreas, em especial na saúde, com a possibilidade da vinda de médicos cubanos para preencherem carências. O anúncio da data da próxima feira e da confirmação de Cuba como país convidado foi feito esta segunda-feira na reunião da Câmara. Carlos Monteiro assinalou que o objectivo é ampliar a escala da FIT a outros continentes, até que se torne num evento mais internacional do que apenas ibérico, tendo em conta que a sigla o permite. Mas para o vereador da oposição, Eduardo Brito, a presença do país latino-americano é uma má aposta. «Claro que à primeira vista enche o olho», reconheceu o eleito pelo PS. Só que «devido ao regime e às dificuldades financeiras» de Cuba, é difícil admitir que a ideia seja bem-sucedida. Eduardo Brito insiste naquela que diz ser a grande questão à volta da FIT: «que estratégia?».

Oiça aqui: