Pedro Fonseca mudou de opinião. O presidente da federação distrital do Partido Socialista considerava, há pouco mais de um mês [ver notícia anterior aqui],  que a Pousada da Juventude da Guarda devia reabrir e afastava qualquer possibilidade de vir a ser transformada em residência para estudantes do Politécnico. Mas agora pensa de maneira diferente e está ao lado do presidente do IPG na ideia de afetar o edifício ao acolhimento de alunos, mantendo alguns quartos para o turismo juvenil. Há novos dados, explica à Rádio o também professor convidado da Escola Superior de Turismo e Hotelaria. A posição que antes mantinha era baseada na estratégia da anterior presidência do Politécnico, que segundo Pedro Fonseca não apostava tanto na captação de alunos noutras partes do país e do mundo. Por outro lado, concorda em que a reserva de quatro quartos para utentes da rede de pousadas será bastante, pois corresponde à taxa média de ocupação que a unidade conseguia antes do encerramento, há sete anos, e não existe a perspectiva de que aumente com a reabertura. A nova posição que assume faz com que Pedro Fonseca se torne na única voz do Partido Socialista, entre os dirigentes locais e distritais, a defender a residência de estudantes na pousada. Além do vereador Eduardo Brito, também os dirigentes concelhio [ver aqui] e distrital [ver aqui] da Juventude Socialista exigem que a pousada retome unicamente a função original. Posições que não vinculam o PS, faz questão de sublinhar, puxando pela autoridade estatutária: «a federação distrital da Guarda tem uma voz», que é a do próprio Pedro Fonseca, «e não tem mais nenhuma».

Oiça aqui: