A antiga coordenadora da Unidade de Missão para a Valorização do Interior considera que o país precisa de ter uma verdadeira unidade ministerial a favor da coesão do território, que não se esgote na criação de uma Secretaria de Estado em Castelo Branco. Helena Freitas diz que abandonou a Coordenação da Unidade de Missão porque não sentiu «vontade política» para concretizar as reformas que propôs. E num olhar sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019, mostra-se muito céptica quanto ao anúncio de atribuição de benefícios fiscais para as empresas que se fixem no interior do país. Declarações durante a conferência organizada pela União de Sindicatos de Castelo Branco, no Fundão, sobre o tema “Desenvolver o Interior”

Oiça aqui: