A Associação Comercial da Guarda não vai poder vender o edifício sede, no centro histórico, para pagar dívidas. A proposta foi rejeitada ontem na assembleia geral. Miguel Alves, o presidente, teme que a consequência seja a insolvência, a pedido de credores. O imóvel, cuja posse foi reconhecida por usucapião, está avaliado em 721 mil euros. 

Oiça aqui: