O líder da oposição na Câmara da Guarda não acompanha as críticas do líder da bancada na Assembleia Municipal. Esta segunda-feira, na primeira sessão do executivo desde a assembleia, no dia 29, em que Joaquim Carreira anunciou uma queixa-crime contra a Câmara [recordar notícia aqui], o vereador Eduardo Brito demarcou-se da intervenção do arquitecto, tal como já o tinha feito o presidente da concelhia do PS, Agostinho Gonçalves [notícia aqui]: é «um estilo individual» que não vincula o Partido Socialista, esclarece. E vai mais longe, garantindo que nada tem contra a requalificação do edifício dos antigos Paços do Concelho e que esta até devia servir de exemplo para uma «intervenção mais musculada» na Praça Velha, declarando-se confiante no cumprimento dos «aspectos de pormenor» e recusando comentar «questões de gosto». Não devem ser «chamadas ao debate político», conclui Eduardo Brito.

Oiça aqui: