Terminou o impasse sobre o futuro da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela: a sede continuará na Guarda e a presidência manter-se-á rotativa. A novidade é que será exercida por dois presidentes de câmara do distrito da Guarda: o socialista Carlos Filipe Camelo, de Seia, liderá em 2018 e 2019; e o social-democrata Luís Tadeu, de Gouveia, irá suceder-lhe em 2020 e 2021.

Várias fontes ligadas ao processo confirmam à Rádio que estas decisões foram tomadas nos últimos dias, em encontros informais dos autarcas, tendo sido objecto de consenso para serem ratificadas na reunião do conselho intermunicipal, marcada para o próximo dia 20.

Carlos Filipe Camelo assumirá deste modo a presidência da CIM na primeira metade do mandato. É um cargo para o qual o próprio, em declarações à Rádio [ver notícia anterior aqui], já se tinha manifestado disponível. Terá como primeiro vice-presidente o autarca de Pinhel, Rui Ventura, do PSD.

No início de 2020 será a vez de Luís Tadeu, presidente da Câmara de Gouveia (do PSD), ter o comando da Comunidade Intermunicipal, contando com Esmeraldo Carvalhinho, presidente do município de Manteigas (do PS), como número dois.

Quanto à sede, terá sido unânime a opção pela continuidade na Guarda. Será neste mandato que os serviços da CIM passarão a ocupar o edifício dos antigos Paços do Concelho, na Praça Luís de Camões, onde também ficará instalado o Solar dos Sabores regional, que será uma espécie de "montra" dos quinze concelhos da Comunidade.

No primeiro mandato, que teve início em 2013, a presidência foi dividida por Vítor Pereira (presidente da Câmara da Covilhã, do PS) e por Paulo Fernandes (presidente da Câmara do Fundão, do PSD).