Foi perante uma Alameda de Santo André praticamente cheia, com pessoas provenientes de todo o concelho, que Álvaro Amaro apresentou ontem ao final da tarde as listas de candidatos à Câmara, à Assembleia Municipal e às freguesias.

Nas juntas onde não concorre com nomes próprios, o PSD dá o apoio a equipas independentes. Algumas são formadas por autarcas aqui agora eleitos pelo PS, que ontem também subiram ao palco.

Armindo Maia, da Mizarela, é militante socialista mas lembra que «o PS nunca me ajudou em nada, em tudo quanto prometi falhei sempre». Lúcio Gonçalves, de Vila Cortez do Mondego, e Vítor Cunha, do Porto do Carne, dão razões semelhantes para estarem ao lado do actual presidente da Câmara.

Álvaro Amaro faz questão de sublinhar que nada os fará sentirem-se vinculados em termos partidários: quando chegarem as eleições legislativas andarão provavelmente «em lados diferentes da rua». Mas agora «é o governo da Guarda» que os une.

A cabeça de lista à Assembleia Municipal, Cidália Valbom, também sublinhou que a candidatura do PSD «é a única que mostra autenticidade na abertura à sociedade», porque soube «escolher os melhores, tenham ou não filiação partidária».

Prometeu que na Assembleia «iremos imprimir um conceito de rigor, honestidade e imparcialidade, contemplando e abraçando todos os contributos, qualquer que seja a bancada de onde emanem».

Álvaro Amaro anunciou depois que, se for reeleito, criará um centro tecnológico associado à indústria automóvel, em articulação com as empresas do sector que laboram no concelho e com o Instituto Politécnico, para que sejam ministrados cursos especializados que proporcionarão «emprego garantido» para os jovens que os frequentarem.

Também no plano empresarial, prometeu para os próximos quatro anos uma Câmara Municipal «ainda mais amiga do investimento».

No setor social, o candidato do PSD anunciou a criação de um Plano Municipal de Apoio às instituições particulares de solidariedade social do concelho.

Despoluir os rios Noéme e Diz e construir os Passadiços do Mondego são outras das ideias do atual autarca da Guarda. No caso do Rio Noéme a intervenção permitirá também criar ao longo do curso hídrico aquilo que designa por «ecovia do Noéme e do Massueime», o nome da ribeira que nasce junto à zona baixa da Guarda e segue na direcção no concelho de Pinhel. A ideia é ligar dois extremos do concelho, entre o Rochoso a Avelãs da Ribeira, através de um percurso para prática de ciclismo e desportos de natureza, com uma extensão de mais de 40 quilómetros, que acompanhará as linhas de água do Noéme, do Diz e do Massueime. 

Também promete requalificar a Praça Velha, junto da Sé Catedral, e disponizar apoios para a revitalização de imóveis por parte de privados no centro histórico.

Em matéria de acessibilidades, Álvaro Amaro anunciou a intenção de construir a variante que ligará a rotunda dos efes à Via de Cintura Externa, bem como uma nova via que sirvirá a zona da Sequeira.

Oiça aqui: