Jorge Mendes diz que aceitou o convite do Bloco de Esquerda porque falharam as tentativas para que os partidos de esquerda se unissem nestas autárquicas numa só candidatura que enfrentasse Álvaro Amaro. Hoje, no "Argumentário", o candidato lamentou que a sugestão lançada em devido tempo não tenha sido levada suficientemente a sério pelo partido que devia ter liderado a solução, o PS. A abordagens só aconteceram já com os candidatos apresentados e numa lógica, por parte dos socialistas, que levaria à anulação do Bloco. Assim, o antigo presidente do Instituto Politécnico apresenta-se a estas eleições com a promessa de um programa e de uma equipa «de verdadeira alternativa». Jorge Mendes assume o objectivo de ser eleito vereador e sustenta que a presença de um elemento, no próximo executivo municipal, que não seja do PSD nem do PS «reforçará o escrutínio e a exigência» perante o poder, abrindo caminho a uma «melhor experiência democrática» na gestão da autarquia. Há quatro anos apoiou Álvaro Amaro e isso, afirma, «confere-me maiores responsabilidades». O candidato do BE diz conhecer «muitas pessoas» que tiveram a mesma opção em 2013 mas que não dispostas a renovar a confiança ao actual presidente da Câmara. «Álvaro Amaro foi eleito por muita gente de esquerda», recorda. É esse eleitorado que a candidatura bloquista pretende agora conquistar. «Mudar é preciso. Mas mudar, mesmo, de políticas e de protagonistas», sublinha. A democracia será «mais rica» se na Câmara «outras forças, que não as tradicionais que têm gerido o nosso município ao longo de todos estes anos» tiverem uma oportunidade. Por outro lado, o Partido Socialista «não trabalhou para recuperar a confiança». É que ainda estão «presentes na memória» os últimos mandatos «perfeitamente absurdos» de maioria PS e as circunstâncias que levaram a que o poder tenha «caído nas mãos» de Álvaro Amaro. A lista à Câmara pelo Bloco de Esquerda levará pelo menos outros quatro cidadãos sem filiação partidária, de diversas áreas profissionais, e o cabeça de lista à Assembleia Municipal será Marco Loureiro, coordenador distrital do partido.

Até ao final da grelha de programas (na última semana de Junho) os cinco candidatos a Presidente da Câmara da Guarda passam pela Rádio para explicar os argumentos com que preparam a batalha eleitoral que se avizinha mas também para partilhar a música que ouvem. Dedicamos assim as cinco últimas edições de programas e rubricas (antes da pausa da grelha no Verão) aos principais protagonistas das eleições autárquicas de 1 de Outubro. No “Argumentário”, espaço de grande entrevista, ouvimos o percurso, as razões, o diagnóstico e as propostas dos concorrentes. Na “Sociedade de Autor” – rubrica de selecção musical feita por um convidado – conhecemos as músicas que marcaram a vida de cada candidato.

Oiça aqui:

 

Oiça aqui a entrevista na íntegra no "Argumentário":

 

Oiça aqui a selecção musical na rubrica "Sociedade de Autor":