Actualidade

«Afirmação e valorização do Interior»  é o tema de fundo das jornadas parlamentares do PSD, que decorreram ontem e hoje na Guarda. No primeiro dia, os deputados dividiram-se em visitas a empresas e instituições. Na COFICAB, o director-geral da empresa deixou algumas ideias para inverter a carência de quadros qualificados.

Oiça aqui:

Manuel Lourenço deixou apartamento e o negócio na Guarda para se estabelecer na aldeia de Mizarela, no vale do Mondego. Gostava da paisagem e das árvores em redor da casa. Até que «uma lei cega» o obrigou a cortar quase tudo, para defesa contra incêndios.

Oiça aqui:

O padre António Luciano Costa já é bispo e a partir de Julho vai ficar à frente da diocese de Viseu. Este domingo, na Sé Catedral da Guarda, foi ordenado perante centenas de pessoas. Uma cerimónia que o deixou «feliz» e pronto a «trabalhar para as pessoas». 

Oiça aqui:

Carlos Peixoto deve a vitória nas eleições para a comissão política distrital do PSD, no caso da Guarda, quase exclusivamente à concelhia do partido. É a leitura política feita na edição desta semana do debate “Quarto Poder”.

Oiça aqui:

«Surpresa» é a palavra escolhida por António Luciano Costa para falar da agora da ordenação como bispo, que acontecerá no próximo domingo, depois da nomeação em Maio pelo papa Francisco. O ainda padre António Luciano, de 66 anos, é natural do concelho de Seia e tem um longo percurso pastoral e, também, como profissional de saúde. Vocações que estão ligadas, sublinha.

Oiça aqui:

O pai do satélite português está isolado do mundo numa aldeia do Interior. Desde a semana passada que Fernando Carvalho Rodrigues não tem telefone nem Internet em Casal de Cinza, onde vive. A Altice desculpa-se com as chuvas e não indica um prazo para o restabelecimento do serviço. Parecem os tempos em que o homem ainda não tinha  chegado à lua, ironiza o cientista, que para trabalhar e estar em contacto com alunos de todo o mundo tem de andar «pelos cafés a pedir a pass do wifi».

Oiça aqui:

O comando para os distritos da Guarda e de Castelo Branco da Companhia de Intervenção de Protecção e Socorro da GNR vai ficar sediado na Guarda. Mas as instalações na helipista junto ao hospital não oferecem condições para o funcionamento em permanência. A Câmara vai, por isso, disponiblizar um espaço provisório na Quinta da Maúnça, onde será construído um hangar para helicópteros e ficarão baseadas as viaturas de socorro, bem como as equipas de intervenção.

Oiça aqui: